quinta-feira, 10 de junho de 2010

Vícios de linguagem- Estrangeirismo

Estrangeirismo

Não se sabe exatamente como surgiram às diversas línguas que existem no mundo. Porém, Com os avanços dos estudos lingüísticos, viu-se que as diferenças entre elas eram tão grandes e profundas que seria muito difícil provar que todas descendiam de uma só língua.
Sabe-se que hoje as línguas estão agrupadas em famílias, de acordo com semelhança que guardam entre si.
A língua portuguesa descende da família indo-européia, originária de um território o qual se estendia da Ásia à Europa. “No Brasil, sofreu influência de línguas ameríndias da família tupi e de línguas africanas da família Níger-Congo.”







O termo "estrangeirismo" significa palavra ou expressão de outras línguas, empregada na língua portuguesa.
O Brasil abriga gerações, culturas e pessoas de diversas regiões do mundo, ou seja, a famosa miscigenação. É através dessa junção, que também sustenta o paralelismo entre a nação e a língua, das quais surgem os famosos estrangeirismos.
Observamos que palavras inglesas, mesmo sendo de alta freqüência e de grafia marcadamente inglesa, adquirem usos e sentidos peculiares ao português. Dentre inúmeras expressões, muitas foram ‘abrasileiradas’, como o verbo ‘deletar’ (do inglês ‘Delete’) e outras usadas do jeito original, como fast-food, over book que carregam o verdadeiro significado da espressão e que facilmente poderiam ser trocadas por um similar nacional, mas que insistem em permanecer como exceções à regra.






Sendo assim, parece haver uma clara adaptação à nova língua, às preferências de seus falantes e de seu discurso. A adaptação de palavras inglesas à língua portuguesa já havia sido apontada por outros autores. Por exemplo, nota-se que outdoor, palavra de origem inglesa, passou a significar no Brasil o que nos Estados Unidos se chama de billboard.

Existem muitos críticos da língua portuguesa que acreditam que esse estrangeirismo pode afetar a nacionalidade da nossa língua, é com esse pensamento que o deputado Aldo Rebelo lançou um projeto de Lei 1676, de 1999, que procurava eliminar o uso desnecessário dessas expressões, na tentativa de valorizar a língua nacional. Na lei, os brasileiros estariam proibidos de usar termos em outras línguas na comunicação oficial, na mídia escrita, radiofônica e televisiva, na publicidade e no comércio. Porém, mais tarde esse projeto foi negado por intolerância.

Para os especialistas, o projeto mostra total ignorância do fenômeno lingüístico. "Um idioma evolui quando entra em contato com outros, e só alguém que não entende nada do assunto pode achar que é possível bloquear esse intercâmbio", diz o professor John Robert Schmitz, americano naturalizado brasileiro.


O QUE É O ESTRANGEIRISMO?

Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que tenha ou não equivalente nacionalidade. Classificada como um vício de linguagem, na gramatica normativa, é tido como uma visão simplista por especialistas.
A grande maioria das palavras de nossa língua tem origem latina, grega, árabe, espanhola, italiana, francesa, inglesa. Essas palavras são introduzidas pelos mais variados motivos, sejam eles fatores históricos, sócio-culturais e políticos, modismo ou até mesmo avanços tecnológicos.
É devido ao ‘aportuguesamento’ fonológico e gráfico de algumas palavras exteriores que deixamos de perceber quando estamos fazendo uso de estrangeirismos.

Ou seja, usando de elementos da retórica daqueles que poderiam assim pensar, cremos que dada à globalização, a influência da mídia, o poderio econômico dos EUA, e a própria “submissão” das classes dominantes do Brasil, seria de se supor que qualquer palavra do inglês, ou de qualquer outra cultura entraria no português.


Por: Bruno Correia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário